Na Cesta da Cegonha palmas - pr

andressa & angilberto | esperando miguel

No dia 11 de setembro de 1927, os astros se alinharam de forma especial. Um arquétipo muito específico, voltado a providenciar o nascimento de um grande homem, que teria a incrível e abençoada missão de conceber uma família forte, unida e resiliente.


Esse homem, a despeito dos grandes infortúnios pelos quais passou, não se deixou abater. Afinal, não poderia dar-se a esse luxo. Ele tinha o escopo de transmitir os melhores valores e força para sua família. Assim, ao longo dos anos, por algumas vezes precisou recomeçar e reconstruir, sem derramar uma única lágrima e sem tirar o sorriso acolhedor de seus lábios, mantendo sempre a altivez e todos os outros atributos que o tornaram uma referência para os herdeiros de seu legado e motivo de admiração e orgulho para todos que o conheciam.


Esse homem se chamou Miguel Santos Marinho e escolheu a cidade de Palmas-PR para ser a folha em que escreveria sua história. Uma cidade linda e acolhedora no sul do estado do Paraná, situada há aproximadamente 100 km de Pato Branco e 134 km de Francisco Beltrão (cidades referência do sudoeste do Paraná). Alguns mencionam, inclusive, que Palmas é uma das cidades mais frias do Brasil, em função de seu inverno característico. É, também, a cidade onde mora minha mãe, irmãs, meus tios (que são meus padrinhos e pais da Andressa). Siiiiim, essa gestante linda que acabei de fotografar é minha prima. É também a cidade onde morei por um longo tempo de minha infância e adolescência. Gosto de chamá-la de reset, pois é a cidade para onde gosto de voltar, quando tiro uns dias de folga e tenho a oportunidade de oxigenar a mente e retomar o status quo. Em outras palavras, onde pode-se sentir o melhor cheiro de café passado na hora e bolo recém saído do forno.


Vocês devem estar se perguntando qual a relação desse prólogo com o ensaio que ilustra esse post. Pois bem, o homem que citei acima, é meu avô e hoje é uma linda e brilhante estrela que impera no céu com sua luz única, abençoando a todos que aqui ficaram e que seguem seus passos. Ele também é avô da Andressa, que junto com o Angilberto, concederem a ele uma das homenagens mais lindas que ele poderia receber, pois eles escolheram Miguel para ser o nome que seu primeiro filho carregaria. 


Há exatos 92 anos, Miguel brindava o mundo com sua chegada. E quis a Andressa, o Angilberto e Deus, que passado esse tempo, novamente Miguel viesse para fazer a diferença em seu mundo. Estamos, portanto, todos ansiosos por sua chegada. 


Tenho certeza que nosso avô, onde quer que esteja, não está conseguindo conter a emoção, ao ver que seu bisneto já é abençoado por carregar a força e a honra de seu nome. Mas como toda lágrima de emoção é seguida de um sorriso, a última foto que ilustra esse post, que foi tirada um dia depois do ensaio, mostra os campos da cidade que caracterizei acima, com o céu chuvoso representando as lágrimas de emoção de nosso avô, arrematado por seu sorriso, que não vou dizer aqui pelo que está representado, pois prefiro que todos vejam a foto para perceber onde ele está.


Por isso, Andressa, Angilberto e Miguel, não tenho palavras para agradecer a honra que senti ao fazer parte desse momento na vida de vocês. Com lágrimas de emoção ao finalizar a escrita desse post, de coração, só tenho a agradecer por terem depositado em minhas mãos a confiança de narrar mais um capítulo dessa linda história, ao fotografar seu ensaio de gestante.


O Miguel é uma bênção de Deus e com certeza encontrá um mundo de muito amor em sua chegada.